22 dezembro 2010

Natal Hilare!

Roubada daqui







... com amor, calor, serenidade e... luxúria!

A Vigília da borboleta...






"Friendship is love without wings."
Lord Byron

17 dezembro 2010

Juro que me faltou o chão...

Roubada daqui





... quando troquei mistério, pelo brilho do teu olhar!

Juro que a noite se infiltrou na pele
numa torrente... fascínio, domínio... premente
Afoito, vieste descompor-me o certo
Juro que meu corpo ficou incerto... tremente

Do nada fez-se física
Do que sobrou do céu...
... química!
Da palavra nua... ausente
... indizível atracção...
... que o fio da navalha pressente!

Posso jurar que a tua eloquência,
me arrancou um sorriso velho...
... Mona Lisa a imaginar...

Juro que me faltou o chão... e o coração
... num sopro imperfeito
... ergueu a mão
e agarrou o chão
... no ar rarefeito...

13 dezembro 2010

Fogo fátuo...

Roubada daqui




Na tua carne, (des)fiz-me água

Nos teus olhos chama azul;
faísca, cobiça, fina carícia...

Da tua boca, louca... encostada á minha...
... fogo fátuo

Do meu corpo ao teu a distância
e, o abismo de um navegar

Tua língua que me lambusa de gula;
buliçosa, teimosa, malabarista graciosa...

Nos teus braços a combustão e uma parede fria;
velozes, garrotes, doces chicotes...

Com o nariz encostado ao meu,
cessas o ar, travas o tempo, esqueces quem passa...
... vertiginosa, eu?!

06 dezembro 2010

É isto...





Saudade... é a alma a dizer onde quer estar...

02 dezembro 2010

Seven






O elsolittario provocou...
... aqui vai... o número mágico!

7 coisas a fazer antes de morrer
Viagem à Nova Zelândia
Volta à Europa de mota
Comprar um barco  
Escrever um livro
A minha casa
Voluntariado em África
Um salto de pára-quedas


7 coisas que mais digo
Obrigada!
Dasssss (e similares)
Va bene!
Boss [ :) ]  
Surpreende-me...
Impressionante!
Mau!

7 coisas que faço bem
Mimar
Rir
O meu trabalho
Resolver "pepinos" 
Não fazer nada
"Defender-me"
Conduzir   


7 defeitos meus
Irónica
Teimosa que nem...  
Radical  
Despistada
Bruta  
Esquecida  
Exigente


7 qualidades
Amiga/Confidente  
Preserverante  
Ética  
Frontal
Confiante  
Destemida
Mulher!

7 pessoas a responder a este desafio
Vontade de
Libertya
Sammael
doiSabores
Stargazer
Balada
soft_inblue

26 novembro 2010

Turns me... (V)





... on - o andar! Viril e confiante!

... off - mentiras tolas

19 novembro 2010

Uma ponte...

Roubada daqui





Conta-me histórias de tempos
A que eu gostaria de voltar,
Tenho saudades de momentos,
Que nunca mais vou encontrar,
A vida talvez sejam só três dias
Eu quero andar sempre devagar, até a ti chegar

Ninguém é de ninguém mesmo quando se ama alguém
Ninguém é de ninguém quando a vida nos contém
Ninguém é de ninguém quando dormes a meu lado
Ninguém é de ninguém quando fico acordado, vendo-te dormir.

Um raio de sol, através de um vidro
Faz-me por vezes hesitar
A vontade de estar contigo
Melodia, paira no ar, paira no ar

Ninguém é de ninguém mesmo quando se ama alguém
Ninguém é de ninguém quando a vida nos contém
Ninguém é de ninguém quando dormes a meu lado
Ninguém é de ninguém quando fico acordado, vendo-te dormir.

João Pedro Pais

09 novembro 2010

A janela indiscreta






O contexto: sozinha em casa
O cenário: um sofá de costas para uma janela aberta
O estímulo: a vontade
O veículo: o pensamento
O rastilho: a brisa que a rua empurra
O propósito: Eu



O pensamento é rápido! Tenho pressa! Hoje, não desejo prolongar o que por vezes faço, até á (minha) exaustão!

Giro o corpo, sobre os joelhos, ficando virada para a janela. Nessa posição, baixo as calças e cuecas em simultâneo. Passo os dedos sorrateiramente pelos seios, que, com a manobra que executei, espreitam entumecidos, através do tecido.
Com uma mão abraço-me por trás, mantendo as pernas juntas.
A outra mão, levo-a á boca.

Sorrio, na antevisão de alguém passar e olhar para mim…

Sinto-me quente… a antítese da atmosfera exterior.

Conduzo a humidade que trago nos dedos, contra o ventre e deslizo-os… apertando firmemente a carne.
Deixo-me cair sobre as pernas, forçando-as a deslizar no tecido… abrindo-as, totalmente!
A mão, (não) esquecida lá atrás, abocanha-me a nádega.

Toco-me, finalmente! Como gosto!
Percorro o dedo médio de uma extremidade á outra, devagar…
Curvo-o, colocando-o dentro de mim de uma estocada só! Junto outro.
O ritmo é meu! O ritmo é inconstante… Como gosto!

Retiro-me e aproveito os dedos molhados, para os deslizar sem ordem. Sem método… para logo o repor!
Sei onde me dirigir e faço-o! Sei que é o último repasto! E é por ele que anseio!
Domino o meu corpo cego, vorazmente. Retiro dele o prazer que quero!

Abro os olhos. Como gosto!

Fixo a rua e… saboreio as ondas que me escaldam a pele…

03 novembro 2010

O primeiro...

Roubada daqui





Visto-me de pérolas e com tragos suaves, provo aromas in red...
 ... hoje, comemoro o delicioso primeiro ano, volvido no Olimpo...

Não estou sozinha... comungo com todos os que aqui entraram e, partilharam palavras e sensações...
... em todas as cores!

Hoje, sou mais rica!
Hoje, envergo mais pérolas no peito!

Semper Gratus!



[Alis Grave Nil ]




P.S.: Deixo um beijinho especial ao Dark'Eros, com quem comecei esta aventura, mas que a determinada altura teve que a abandonar!
Este Olimpo, também lhe pertence!
Basium, amīcus!

27 outubro 2010

Lençois de água...

Envoltos no desejo, onde os corpos se tocam mutuamente e a respiração se confunde com a falta da mesma..

Toco-te!

Observo-te a silhueta e o cabelo suave. Contorno a anca com os dedos e a tua pele nua estremece.

O primeiro suspiro acompanhado do gemido tímido que se solta em ti.

Apesar da contemplação, fechas os olhos com aquele prazer que só o toque já te vai preenchendo.

Encostas-te a mim. A pele macia como se só lençóis de água nos cobrissem.

Desço a mão por entre as tuas pernas. Sinto o calor que vem de ti num desejo irrequieto.

A vontade torna-se incontrolável
                                                  pela luta corpo a corpo...




... em voluptuosas arenas,
sentidos suados, banhados em profusos lençois
de água...


Abundância
Cadência
Desassossego


Soltam-se, nas luzes da ribalta
os gestos que inflamam,
e queimam a pele, reclamando...
... mais!


                                                        ... e mais!










Exquisite Corpse


... de olhos fechados!

A primeira parte, sensualmente escrita pelo Ysl,
a segunda por mim...






22 outubro 2010

The F Word





F* a convenção, presunção e a religião

F* a aparência, incongruência e a maledicência

F* a intolerância, ganância e a arrogância

F* o racismo, histerismo e o oportunismo

F* a ruindade, falsidade e mediocridade

24 setembro 2010

... in a bed of roses

Roubada daqui




Noite ou dia?
Dia, em tempos foi a noite...

Cor?
Azul

Chocolate ou chantilly?
Chocolate

Um odor...
Pode ser odor a ameixa?
:) Pode ser o q quiseres...
O teu suor

Encontros... públicos ou privados?
Privados

Verdade ou consequência?
Verdade

Pecado ou virtude?
Pecado

Qual?
Inveja

É o q gostas mais ou... menos?
Era o q sentia antes de te ter...

Campo ou praia?
Praia

Um sabor...
O sabor da tua boca

Um toque...
O toque da tua mao

Na mesa ou no chão?
Na mesa

Seda ou algodão?
Seda

Grito ou suspiro?
Grito

14 setembro 2010

Os Cinco








Libertya e El Solittario... desafiaram... eu obedeço...

;)





Cinco factos sobre mim


Sou exigente. No que faço e no que obtenho.
Sou um pouco feminista.
Tento sempre, estar bem com a vida. E comigo.
Sou naturalmente doce. Mas posso ser o inverso.
Sou despistada.



Dez coisas que gosto de fazer ou me façam sorrir


Gosto do mar. Em todas as estações do ano.
Não sendo uma Nose, gosto de cheiros. Bons.
Adoro cinema, música e livros.
Noite. Gosto de sair, tomar uns copos, rir.
Namorar. Gosto de me apaixonar.
Gosto de ter momentos de dolce fare niente.
Escapadelas (viagens). De qualquer género.
Sexo. Frequente, de preferência.
Gosto de rir, muito.
Gosto de jogos e estímulos intelectuais. Especialmente de palavras.




Passo a

Sammael
Ysl
Balada
@tt
Patife
doiSabores
Serge

10 setembro 2010

Com loucos olhares...

Roubada daqui




arruíno-te, no tempo que te demoras

Gosto de te observar...
ver-te roer os lábios...

Gosto de te observar, quando cerras o olhar
... quando os dedos são garras e me agarras
... do vai-e-vem que me cobras
... da gana com que me atracas a ti
... quando me empurras e puxas
... que me açules penetrando-me o olhar

                                                               ... com loucos olhares

03 setembro 2010

Turns me... (IV)

Roubada daqui




... on - o odor e o toque de suor fresco num corpo molhado, depois do sexo
... off - falta de assertividade

13 agosto 2010

...






The Ground Beneath My Feets...

... will be another for a while!

................................................................................................

09 agosto 2010

... in black


Roubada daqui





(VI)




Provaste(me) que a intimidade está na palma da mão,
fruto da linguagem natural, que do corpo emana
e, em silenciosos verbos... a mente exclama...

Beijaste-me cum furor
Mexeste-me, procurando-me...
tacteando-me...

A tua boca desceu em mim,
por mim...
repousando tentadora e delicadamente nos seios...
provando depois, (d)o meu ventre molhado...
surripiado à lucidez...
... que foi consumida por caprichosos desejos

Com a língua,  adentraste-me furiosamente...
Adorei(te) na urgência e fome do teu querer!
Na tua gula demorada...


Pintada da tua cor, desvaneci(me) no universo que me entregaste...
... em tabuleiro escarlate que me marcou a pele...
como tatuagem!


Tomaste(me) o corpo, que tremendo se encaixou no teu...
... numa confluência terna...
lenta,
sentida,
de calmas mas... profundas águas...

Enlaçados,
derramamos no uníssono... 
o arrebatamento que nossos corpos clamaram...
roubando ao tempo, esse tempo que era nosso... apenas!

Quedamo-nos...
... contemplando-nos...



Roubada daqui

04 agosto 2010

... in black






(V)



Sem pressa, deambulei nas tuas costas...
Alternando a pressão que os dedos exerciam na tua pele,
percorri-te, generosamente...
E ali permaneci... demoradamente...

Sentindo-te inteiramente relaxado, trilhei a tua nuca...
cabeça
braços
mãos

desci...

Nas tuas coxas, perdi-me por instantes...

Recuperando a razão, executei um pole dance com as mãos... nas tuas pernas...
... lentamente... até aos pés!

Já te disse que não tinha pressa?!

Percebeste!
Resististe!

Recomecei...

Quebraste-te!
Volveste-te!

Renunciei...

Envolvi-me no teu abraço...
dei-te a minha boca... que tomaste com a tua!
Refúgios luxuriosos e ávidos de uma obstinada vontade!

Corpos fundidos, pegados... sorvendo a libido solta do nosso querer...
... gestos que aglutinam suores... essências frutadas que saltam dos nossos poros...




(continua)

02 agosto 2010

Porque sim...

Roubada daqui




... foi o mote, que a doce soft_inblue pegou e enviou, em estilo de flor...

Cinco músicas que definam cinco blogs.

Só porque sim...


Libertya
elsolittario
azael
Vontade de
Ysl
Stargazer



As músicas estão linkadas aos bloggers e, são estes também os nomeados, para se o desejarem, pegarem no desafio...


[Porque me apetece infringir as regras... coloco um número acima...]

29 julho 2010

Dēlicāta...






... forma, de mimar alguém!

Não só a vida, é uma caixinha de surpresas... algumas pessoas também!

Carinhosamente distinguida pela Libertya na sua lista, mas especialmente pelas palavras que me dedicou, em formato inquestionável de... boomerang [ ;) ] e, com uma saborosa menção da Stargazer, que me sentou no seu sofá venusiano, este blablabla especial tem regras...
... um pouco ingratas, pela redução a apenas cinco, nos blogs a agraciar pela corrente... são mais que isso os que me prendem a atenção!

Mas... Venus é (des)obediente, por isso, aqui vai;


@tt (em férias) - Mulher determinada e frontal, assumindo no entanto, o feminimo na sua forma mais bela e lata!

soft_inblue - O nome diz tudo... Um toque suave, terno... mas simultaneamente sedutor e assertivo!

DoiSabores - Deliciosamente provocadores. Intimistas. Envolventes. Sente-se primavera em cada palavra...

Scorpya - Um dos lados de (cá) lá, de uma Mulher fascinante! A União graciosa de várias facetas que... picam, deixando um doce veneno...

Poliedro - Uma escrita que causa deleite... Sedução na ponta dos dedos! Admirável!






Roubada daqui




O olhar de quem me produz sensações, e eventualmente encontra aqui alguma reciprocidade, poderá dizer,  porque é que o Voluptás dá que falar...


Eu afasto-me...
;)



[ Deixo um doce, aos que fazem parte do meu quotidiano de leituras com prazer, mas que já foram presenteados e/ou serão numa próxima... estão ali ao lado!]

26 julho 2010

... in black


Roubada daqui




(IV)



Entreabri a porta e sentei-me confortavelmente na poltrona, instalada em frente...
Cruzei as pernas, tentando relaxar...

Vi a tua sombra, no pequeno rasgo debaixo da porta,
aguardei que a abrisses por completo e me visses...
Levantei-me e com gestos delicados fui ao teu encontro, levando o copo comigo.
Entreguei-to, enquanto te dizia ao ouvido "Surpresa"...
Sorriste e abraçaste-me...
Percebi o inesperado no teu rosto,
quando te afastas-te apenas o suficiente, para me olhares nos olhos...
e me dares um beijo...

Envolveste-me nos braços, continuando a sorrir...
sorvendo o martini as poucos...

Agarrei-te pela roupa e trouxe-te de mansinho... mas firmemente,
até á cama...
Aí, quis-te sentado!
De joelhos á tua frente, comecei a despir-te, lentamente...
olhando para ti...
De um gole apenas, deixaste o copo vazio.

Levantei-me e encaixei-me nas tuas pernas,
passeando pelo teu corpo nú... permiti que vagueasses pelo meu...

No timing que me pareceu certo, empurrei-te para trás e pedi que te virasses...

Suavemente, derramei óleo nas tuas costas...
of plum...




(continua)

21 julho 2010

... in black

Roubada daqui





(III)



Alaguei-me na água tépica, prolongando a sensação de tranquilidade...

Quando terminei, distribuí generosamente pelo corpo, um óleo especial...
of plum...
... deixei espaço odorífico, na minha pele, para o perfume e coloquei-o...
Cuidei do cabelo, como sempre faço, deixando-o sedoso, brilhante e perfumado...

Voltando ao quarto, envolvi-me em seda negra... suave... elegante...
sensual...

Mantive-me descalça...

Servi as bebidas, acendi um cigarro e tomei o primeiro martini... sozinha...

Era tempo de enviar A sms;
Alteração do local de encontro... aguardo-te em frente ao Hotel A.

Vi-te chegar...
Nova sms;
Sobe, quarto 206



(continua)

15 julho 2010

... in black









(II)



Uns segundos depois de premir a tecla para enviar a mensagem, senti um click no peito.

Sacudindo os pensamentos, concentrei-me no retoque de alguns detalhes...

No dia seguinte, a expectaciva acompanhava-me...

Coloquei alguns pertences, essenciais para o que se avizinhava, num saco e saí de casa.
Enviei nova mensagem, dizendo-te que me encontrasses no estacionamento do D's... á beira mar... local tão nosso...
Enquanto conduzia, sentindo o sol e o vento, revi o cenário idealizado... imaginando como seria a tua reacção...
Comprei o martini.
Chegada ao hotel, espalhei pelo quarto, cheiros de aloe-vera em velas a arder...
Coloquei a bebida no frigo bar.
Na cama, estendi e admirei a lingerie que havia comprado na véspera e fui tomar banho...



(continua)

13 julho 2010

... in black

Roubada daqui




(I)


Amanhã, um martini numa esplanada á minha escolha...




(continua)

05 julho 2010

O Desafio...

... que passou de mão em mão e aqui chegou pela @tt e pela soft_inblue , é agora cumprido! ;)



Com algum atraso... aqui vai...

São seis, as coisas que não sabem sobre mim;

  • Mais moderada agora que antes... sou feita de opostos! Fazendo uma analogia... no Zodíaco sou Peixes e o meu elemento é água. Na China sou Dragão e cuspo fogo...

  • Roo as unhas das mãos, sendo extremamente zelosa com os pés...

  • Não gosto de shoppings e compras intermináveis. Não tenho paciência para peregrinação ás montras! Fujo! No entanto, adoro lingerie, perfumes, cremes, calçado e jeans...

  • A velocidade é a minha adrenalina... Tenho paixão por motores, especialmente carros e motos! Mas não gosto de ser co-piloto...

  • A natureza é o meu elixir! Aprecio e necessito, de um contacto próximo e frequente, com o azul e o verde...

  • Gosto de pessoas moral e intelectualmente elegantes! A deslealdade, fraqueza de espírito, presunção e cobardia, ceifam qualquer respeito e admiração que possa sentir pelo próximo!





Passo a:
Felina, Balada, No Devil, Duda, Ysl, O Palácio

08 junho 2010

O teu beijo...





morno, cálido, macio...
Toque harmonioso, envolvente, supremo arrepio

A tua língua... suave... exploratória...
Serpente ondulante, luxuosa, caprichosa...

A tua boca... na minha boca...
Porta de entrada...
Menta fresca...
Russian Roulette...

O teu beijo... no meu beijo...
É liberdade e Alcatraz...
Vício quente, sedento, sedoso...
Harpa musical ou... movimento voraz...

26 maio 2010

Abandono-me...

Roubada daqui





... lentamente, ao capricho que os meus dedos desenham
no calor da minha pele...
Deixando o seu legado na minha boca,
molham-me... tentam-me...

Vagarosamente, percorrem o pescoço
e... descem...

Sinto a sua pressão nos mamilos, marcando-os...
Deixando-os...
Túmidos, altivos... qual rosa primaveril fruindo o sol
e... descem...

Castigam-me o ventre com o seu bailado leviano...
volátil...
matizando toques de girassol, como na tela de Van Gogh
e... descem...

Penetram o rio que os aguarda,
navegando suave e levemente...

Abandono-me...
Á doce tortura que possui e fustiga as minhas coxas
... clamando o tremor audaz que as escraviza

Ergo o corpo em busca desse navegar...
sinuoso, ondulante, ardente...
... formando vagas sumptuosas
... num espasmo brutal e arrebatador
... venho(me)!

19 maio 2010

Turns me... (III)

Roubada daqui



... on - Armani no corpo

... off - selva de pelos crescendo desenfreada e vigorosamente, pós depilação, especialmente no baixo ventre

14 maio 2010

Saberás...

Roubada daqui




o que insisto em querer fazer-te?!


Saberás...

... que envolta em sopros escarlates,
quero agarrar-te e perdida no teu sabor...
deixar-te sem ar!
Quero desorganizar-te
... desafiar-te!
Enfrentar-te num ringue aveludado, cuja vitória te escapa das mãos...

Quero ser...
profundamente...
tua...

Quero repousar os pés nos teus pés
Erguer as mãos nas tuas mãos
Prender-te o corpo em suaves balanços
e com um beijo descobrir que és meu, por inteiro...

06 maio 2010

Enlaço-te...

Roubada daqui




... e no sabor do teu abraço, perco-me na vertigem de um arrepio
O perfume que envergas na pele, embriaga-me os poros que deixas a nú

No beijo que me dás, és vento solto em tardes mornas
Arrebatador...
O teu toque tem certeza, flor delicada e voragem...

Quem serás, nessa vontade?!


Transportas no corpo, aguarelas vivas de tempos passados
Um sorriso incerto... singular, que me entregas aos poucos
Peregrino atento, que em laivos de cansaço, deposita a ordem, instalando o caos...

ÚNico...

Quero o teu olhar grande, preso em mim
Toque de algodão doce...
... em menino selvagem
Quero o profano, fragrâncias mundanas, o mel espesso em abundantes tragos
Quero impregnar os sentidos, sorver(te)... numa cadência lasciva... sedenta... ardilosa...
... veneno luxuriante...

03 maio 2010

Café com...

Roubada daqui



(IV)



Qual carrocel nos teus braços, viraste-me, encostando-me agora o peito á parede.
Elevaste-me as mãos, prendendo-as com as tuas, deixando claro onde as querias.
Obedeci-te.

Com fome, emaranhaste-me os cabelos.
Fizeste-me sentir a urgência que te sucumbia, em ondas de calor.
Suave tortura de desejo, suor e gritos mudos.


Fomos apanhados.
Risinhos mal escondidos, passaram por nós.

Desgrenhada e com o rosto sôfrego, tentei recompor-me.
Olhei para ti. Olhos nos olhos.
Na tua face a volúpia e vontade indisfarçáveis.
Ruborizei.

30 abril 2010

Café com...





(III)



Virei o rosto surpreendido na tua direcção, fulminando-te com o olhar.
Puro detonador, da resposta que me serviste com o teu.
Sem exitar, puxaste-me para ti.

Senti a tua respiração no rosto e a parede fria, nas minhas costas.
Levantaste-me nos braços, enrolando as minhas pernas na tua cintura e com a mão que tinhas livre,
puxaste-me o cabelo, beijando a pele, que encontravas no teu caminho.

Rebelde, senti-me debater nos teus braços.
Ignoraste-me.
Essa atitude foi o rastilho para o que seguiu.

Sem qualquer pudor, esqueci que não te conhecia antes.
Devolvi-te o toque e o tesão que despoletas-te nas minhas veias.
Agarrei-te com firmeza e, ainda na tua cintura ensaiei movimentos, ora vorazes, ora de falsa calmaria.
Com a minha boca, invadi a tua, roubando-te o ar que tentavas resgatar.
Com as mãos procurei-te os sentidos, perscrutando a tua pele de café com leite.

Colocaste-me no chão, encostando o teu corpo ao meu.
Suavemente prendeste-me o pescoço com as mãos, enquanto me beijavas os olhos, o rosto, a boca, o pescoço, as orelhas e sem inibições desceste as mãos, percorrendo-me firme mas calmamente.

(continua)

26 abril 2010

Café com...

Roubada daqui

(II)


Senti o teu olhar seguir-me descaradamente.
A minha roupa, movimentos, postura, riso e olhares analisados, sem vergonha.
Resolvi retorquir a provocação.
Subtilmente.

Conversamos, com algumas insinuações intencionalmente inflamadas.
Desconhecia-te por completo.

O copo ficou vazio.
O corpo em abundância de sentidos.
A mente alerta, tornou-se dengosa.

Pedi-te licença, interrompendo algo que dizias e dirigi-me ao corredor dos wc's.

De repente, senti o meu braço agarrado por trás com firmeza.

(continua)

16 abril 2010

Café com...

Roubada daqui



De volta ao grupo, de copo novamente abastecido, notei a falta de uma de nós.
Com os olhos procurei-a e vi-te.
Dançavas com ela, um qualquer ritmo de verão.
O teu corpo movendo-se, prendeu-me o olhar.
Fingi prestar atenção á conversa que se soltava, enquanto discretamente te observava.
A música terminou.
De regresso, ela apresenta-nos.

Indisfarçadamente, o nosso olhar cruza-se, retendo-se por instantes.
O que terminou em segundos, pareceu-me durar longos minutos.
O inesperado desconcertou-me.
Dirigi a minha atenção ao copo. Sorvi-o avidamente.

Na minha retina, permanece a cor da tua pele, de Africa, clara, muito clara, deixando dúvidas.


(continua)

08 abril 2010

Smooth...

Roubada daqui




... touch


Dedos que descobrem, apalpam, fogem e depois... permanecem
Dedos que bailam ao ritmo de poros nús
... ou cravam-se na urgência de um corpo palpitante

Gestos delicados ou enfáticos,
Promessa que mexe, retirando-se depois

Indisciplina que enfurece, provoca e estimula...

Continuando assim...
Dedos que se amarram, fustigam... castigam, lânguida e demoradamente...

05 abril 2010

Smart Women...

Roubada daqui


"(...) Because if smart women who know how smart they are intimidate men (and they do), and beautiful women who know how beautiful they are intimidate men (and they do), there is, logically, nothing more intimidating than a woman who is fully aware that she is both smart and beautiful. I mean, maybe a room full of tigers with machine guns! That could be scarier! Or, a smart and beautiful lady who makes jokes.
Of course, smart, beautiful, funny women intimidate other women also (...)"

31 março 2010

A máquina...



Roubada daqui



Na individualidade que me articula, as coisas simples, naturais, sem ornatos e/ou enfeites provocam-me vida!
Noutra vertente, há coisas que me retiram energia....
Coisas, ás quais os poucos minutos de atenção que lhes concedo, são demasiados...

Não presto vassalagem a ninguém!
Não peço desculpa por respirar!
Não ajo em conformidade com vontades alheias, para o bel-prazer de outro(s)!

Um caminhar sinuoso e traiçoeiro cercando alguém, provoca-me... coisas!

23 março 2010

Turns me... (II)




...on - mãos cuidadas, com dedos compridos e unhas bem arranjadas

...off - mascar pastilha com a boca escancarada, cerrando os dentes de vez em quando, não deixando porém, de fazer o movimento de bulldozer, enquanto deita o melhor olhar felino, ao seu objecto de desejo

12 março 2010

Rasga-me...

Roubada daqui


... a roupa e a pele, deixando-me alma e coração intactos!

Não me importam as razões que a tua provocação invoca
Não me tiras do sério com essas palavras que não dizes
mas que teimas em depositar nesta retina que alerta,
desperta...
Se me imaginas caminhando para ti, de saltos altos inseguros
em momentos insanos, profanos... adormece, então, enquanto me esperas...

Por vezes... quero-te!
Desejo-te!
Mas reside na antítese dessa vontade, a inércia de um passo que não dou
Sei que te encontras no limbo...
Sei que a tua vontade é desbravares caminhos ao meu encontro
Sei, porque a máscara  te caiu... algures entre a pose que o teu corpo transporta
e os laivos que os teus olhos derramam queimando-me, devorando-me a pele
Não sabes como me apeteces assim...
Não sabes o gozo que a tua prepotência inicial, agora golpeada, me dá!

Por vezes... quero-te!
Desejo-te!
Mas nada farei para te ter...

08 março 2010

For all the...

Roubada daqui


"Women"


Ooh we ooh
Ooh wee ooh
In the beginning
God made the land
Then He made the water and creatures, then He made man

He was born with a passion, love and hate
A restless spirit with a need for a mate
But there was somethin' that was missin', somethin' lost
So he came with the answer, here's what it cost

One part love, one part wild
One part lady, one part child
I give you

Women! women! - Lots of pretty women
Men! men! - They can't live without them
Women! women! - Lots of pretty women
Men! men! - They can't live without them

And in the garden, lust began
The animal instinct, the wanton man
She fed him with a hunger, an appetite
And fillin' with emotion he took a bite

It was one part love, one part child
One part lover, one part wild
I give you

Skin on skin
Let the love begin
Women!

It was one part love, one part wild
One part lover, one part child
A whole lotta fire, a little bit of ice
A whole lotta somethin' you can't sacrifice
I give you

Hair, eyes, skin on skin
Legs - Legs
Thighs - Thighs

What's that spell?
(Spell? what's that spell?)
(What's that spell?)
What's that spell?
(What's that spell?)
(Women, women)
Oh! oh! oh!
Oh! oh! oh!

Women - Women
Women
Callin' every girl
Women women
All around the world
Women - Women!
Women
Oh, we can't live without them
Women women

By Def Leppard

03 março 2010

Pole dance...









Love it!

Habitualmente associada a casas de alterne, começa a despertar curiosidades...
Lecciona-se em alguns locais, para todas as mulheres que queiram aprender...
Excitante e sensual é sem dúvida uma arte...
A arte de saber seduzir, dançando...

01 março 2010

A beleza...

Roubada daqui


... vem mesmo do interior?

Ou esta frase não passa de um cliché, bonita de se dizer, mas sem qualquer verdade em si?!
Não será a fealdade ou a ausência de um corpo modelado, bloqueador de interesse por parte do interlocutor?

Já muito se falou do assunto, mas fico sempre com mixed feelings, quando o assunto é o corpo (especialmente o feminino) e a presente noção de beleza... A magreza(mesmo que não seja a extrema), é sem dúvida o calcanhar de aquiles de muitas mulheres, que diariamente lutam com a contagem de calorias e uma selecção criteriosa do que ingerem, ultrapassando algumas, todos os limites do bom senso no que diz respeito á saúde! Tudo almejando o corpo perfeito!
E como é o corpo perfeito? Tem de ser magro, liso, firme, com formas diminutas?!......

Gosto de ser magra e elegante, sou cuidadosa com a minha imagem(especialmente a nível profissional), no entanto, na minha óptica, o absurdo começa, quando acaba o bom senso...

Porque os olhares fulminam de pena(ou desdém), quem não possui os padrões de beleza esteriótipados, os visados esquecem-se de viver e ser feliz!

O que acontece aos feios e gordos, actualmente?
Estarão eles, reduzidos a um ghetto social?

26 fevereiro 2010

Happy birthday...


...to me



["Não mudamos com a idade na estrutura do que somos. Apenas, como na música, somo-lo noutro tom"  V.Ferreira]

25 fevereiro 2010

Message in a bottle


Roubada daqui





[Disseste-me "A ti, amor da minha vida, convido-te para o meu casamento" ]


Encontro-te ao acaso em sentidos transversais, e nem sempre me ocorre, que o brilho que seguras nos olhos é a causa e não a consequência.


Os meus passos, conduziram-me velozmente através de ti, para além de ti… Agora percebo que não sei recuar, tampouco fazer do limbo a minha residência.
Mas, também percebo que a garantia acaba quando a possuo!

Se em mim permaneces(ras), é porque não sei deixar-te ir… Mas neste bolso onde te transporto, não é seguramente, o lugar onde gostarias de te sentar!
Ficas, porque não sabes deixar-te ir…

Custa-me o teu querer porque não te quero de forma igual… Já lamentei tantas vezes que o meu coração saísse de mim, que deixei de desejar prende-lo! Se nunca soube ser tua, foi porque o amor que te dei não era esse… esse, que tanto sentias e desejavas!

No entanto, meu amigo… amar-te-ei até ao fim!
E até ao fim, desejar-te-ei essa felicidade nua, que tanto procuraste em mim...


[Respondi-te "Irei! Com um sorriso sincero, beijar-te-ei. Sei que estás feliz!"]